Sem Gelo - Um blog puro - por Fernanda D´Umbra




Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 13:10:46
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DOMINGO EMO

na Liberdade, com a Katia, comprando esmaltes. 




Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 16:03:37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




NEGRA

No próximo sábado, dia 26 de Julho eu fecho o Festival de Inverno de Cunha (puta cidade linda) com meu show solo. 

Comigo estarão: Caio Góes (baixo), Alexandre Spiga (guitarra) e Paulo Resende (bateria). 

Blues, funk e soul na praça da matriz, no meio da rua, coisa muito séria. 

E depois tem Funarte, mas isso é outra história.



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 16:00:55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




porque um beijo na boca, meu amigo,

assim, na sincerdade, estraga um domingo.



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 14:19:07
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O SHOW NA PENHA

Ontem fizemos um puta show no Centro Cultural da Penha. É enlouquecedor tocar para o público desavisado. Na plateia tinham meninas em período de reclusão, que tiveram permissão apenas para ver nosso show. Muitas coisas ditas pela Fábrica de Animais batiam feito bombas ali. O nome da banda vem do livro homônimo, que narra as desventuras de um preso americano (o livro é uma espécie de conficção de Edward Bunker) e ontem as meninas presas gritavam ao final das canções. Coisa de louco, juro. Destaque para Marcelo Watanabe, que substituiu Sérgio Arara na guitarra e quebrou absolutamente tudo. E todos os agradecimentos a Teca Spera, que nos convidou e aos técnicos Djalma e Tudinha, que garantiram a noite. Foi lindo.

 

A foto abaixo é de um outro show, que fiz no último dia 29 de junho lá no Club Noir. O autor é o Leo Bella, que além de fotografar no escuro é um puta técnico de computação. Precisando, o cara cuida dos meus micros há quase dez anos. Gritem, amigos. Beijos. 

 



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 08:36:19
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




o metrô sacomã
parece outro lugar
são paulo (sempre 
estranha) é ainda
(para mim, admito)
o único quintal
que não temo.



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 23:25:47
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




você não tem chaves
(eu não preciso)
você não tinge os cabelos
(eu tinjo, se eu quiser, mas tá legal assim)
você não tem carteira assinada
(Deus me livre!)
você não tem patrão
(nunca tive, nunca terei)
você não tem cachorro
(eu viajo, não acho justo)
você não tem plantas
(eu viajo, não acho justo)
você não tem filhos
(sou uma puta madrastra, pode perguntar)
você não depende de ninguém financeiramente
(eu sou uma trabalhadora, uma mina normal)
você assusta, Fernanda 
(eu sei, eu sinto muito)



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 21:32:10
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




SUPER IMPORTANTE

as pessoas importantes do Teatro

não sabem quem são as pessoas importantes do Rock

que não sabem quem são as pessoas importantes da Dança

que não sabem quem são as pessoas importantes dos Quadrinhos

que não sabem quem são as pessoas importantes da noite de São Paulo

que não sabem quem são as pessoas importantes de dia em São Paulo

e o importante mesmo ninguém diz: esse ônibus desce a Cardeal?



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 07:35:12
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




haja cigarro,

alguém tem que agir.



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 13:27:53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




por mim, escreveria até a morte (farei isso)

iria até sua casa e me deitaria no meio fio

eu ia esperar que você saísse

jornal na mão, cabelos limpos

e uma cara safada, rendida

marcada por dois olhos

locados por uma construtora

que nos demitiu no primeiro dia

e nós, (sempre bem vestidos) não sabemos

o que fazer com aquele carro, aquela casa

aquela vida inteira sequelada

aquela música que toca no rádio

e a gente dança (sem entender nada). 



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 22:30:47
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




cito a mim, porque ainda posso 

falar de mim, mesmo que seja

pífio, que seja inócuo, que tenha acento

parei na fila, porque ali eu teria

que me comportar, eu, a menina do caixa

e o cara desesperado, que perdeu tudo lá dentro.

 



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 21:57:36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




jurei (em falso) como sempre

que era a última vez

eu escrevia uma comédia

eu tinha obrigações, eu tinha

uma porra de uma vida pela frente

etc.

e eu ficando louca, isso era inédito 

porque era longo, era infinito

e nada é infinito, tudo acaba

eu, você, esse poema

tudo acaba. 



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 21:51:18
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




chegou um momento 
em que eu decidi
que se eu fosse a pé 
ou de táxi daria 
na mesma
chegou um momento 
em que eu decidi
que se eu ficasse com você 
ou te deixasse daria 
na mesma
chegou um momento 
em que eu decidi
que se eu escrevesse esse poema
ou dormisse daria 
na mesma.



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 02:35:35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




trafegava com uma viatura da polícia a minha frente e um carro da CET atrás > sabes bem, não tenho carteira > não achei ruim, porque de certa forma, estar cercada pela lei poderia me manter longe de acidentes > pararam violentamente > tiraram-me do carro à força, estavam armados > pagaram cervejas, me deram conselhos > sim, amor, falaram de ti.



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 13:52:49
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




não devia ser sempre você

devia ser sempre outono.



Escrito por fernandadumbra@uol.com.br às 10:53:52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
Outros sites
  fábrica de animais
  fábrica myspace
Votação
  Dê uma nota para meu blog



O que é isto?